quarta-feira, 12 de março de 2008

Mil possibilidades da cor branca


"O branco é a
combinação de todas as cores.
Pode ser também o ponto
de partida para todas
as possibilidades da sua
história."


Resolvi clicar em "novo" e tendo a página em branco comecei a repensar e a selecionar o que gostaria que fosse registrado, como se tivesse essa alternativa. As opções são diversas, mais de mil. As histórias, muitas, mas o ponto de partida para escrever essa nova etapa, quem decide sou eu. Posso priorizar os "dias cinzentos", enfatizar as dores ou encarar as memórias como fantasmas que sopram aos meus ouvidos. Posso também, admirar os arco-íris que surgem com as novas conquistas ou o canto ouvido a cada sorriso recebido...
Não digo com isso, que pretendo "desistir de ser sujeito, ou seja, das estratégias que encontramos para evitar aquelas dificuldades de viver, porque percebo que esses artifícios diminuem a intensidade e a qualidade da experiência vivida, e que é um desperdício de vida esquivar-se dos sofrimentos."
.
Quero me permitir ser feliz! Arriscar! Recomeçar! Sonhar novamente! Amar e ser amada!
.
Hoje não tenho somente uma folha em branco, tenho um livro inteiro. Tenho uma enciclopédia à minha frente que precisa ser preenchida. E o primeiro volume dedico a minha família que amo tanto e mesmo vivendo sem a presença fundamental e insubstituível de meu pai, permanece "na primeira", me enjetando fé e força. À minha mãe, o alicerce que me matêm de pé. O segundo volume é preenchido com os amigos que tenho conquistado nessa nova fase que tenho experimentado. Amigos que se mostram presentes sorrindo, cantando e festejando. Os mesmos amigos que provei seu nível de comprometimento na hora de maior dor. Obrigada!
.
Optei pelo branco. Optei por reescrever minha história. Optei por prepapar meus pés para percorrer novas trilhas. Optei por não arrancar, mas somente virar as páginas manchadas, amassadas e que tinham sombra de auto-comiseração. Optei por amar mesmo quem não me ama e oferecer aquilo que guardaria somente pra mim. Aprendi que o maior dom e bem que possuimos, é nossa vida e esta não pode ficar fechada em nós mesmos. Presenteie com sua vida os que estão à sua volta e permita-se fazer parte dos livros que serão escritos.



4 comentários:

Mariah só Mariah disse...

o velho e conhecido trauma de todo escritor: a folha em branco (seja ela celulosica ou virtual).
nunca consegui entender isso do branco ser a união de todas as cores...aceitei, mas nunca entendi porque quando eu juntava todas as minhas massinhas não ficava branco.
mariah.

dZ disse...

Uau, mais que apoiada,

E que tenha tantas cores forem necessária spara preencher esta brancura toda.

Incluindo o verde! :)

Tina disse...

Oi Ana Luisa!

Está certíssima: permita-se e seja feliz. Sempre é tempo.

Lindo texto, parabéns.

beijo grande,

Nala disse...

acho que todo dia q agente acorda, começa mais uma pagina em branco. tdo pode acontecer.

adorei o post querida
bjao!